Autor: Nicole Tung

Desde a invasão do país, muitas mulheres se voluntariaram para cargos militares de apoio e até linhas de combate Nos arredores de Bajmut, na Ucrânia, na linha de frente de um pelotão de artilharia, uma comandante de 32 anos chacoalhava de um lado para o outro no banco do passageiro de um Lada destruído, enquanto outro soldado dirigia o carro em meio a uma floresta densa, às vezes até derrubando árvores jovens. Quando chegaram ao destino, uma pequena vila a pouco mais de três quilômetros das linhas russas, só restavam casas destruídas, com os telhados arruinados visíveis à luz do…

Leia Mais